Feitiço da lua

Ana Karina Manson — Puruba que é bom! – gritava aquela gente que ousava ser feliz. Era mesmo muita ousadia viver sem quase nada do que o tal mundo moderno inseriu em nossas vidas, que sem perceber achamos natural ter celular, ter micro-ondas, ter cremes, ter maquiagens, ter computadores e outros como se fosse essencial,Continuar lendo “Feitiço da lua”

Ressignificância

Thata Alves – O calor, dessa vez, não era dos corpos que se tocavam pela primeira vez e nem era a mesma sinfonia que o coração tocava quando, no colar do abraço, o coração – dele – palpitou. Agora era outro ritmo. Era outro cenário, mesmo que na mesma cidade. Dessa vez seu coração batiaContinuar lendo “Ressignificância”