Outra flor em náusea

por Celane Tomaz (singelo diálogo com A flor e a Náusea, de Carlos Drummond de Andrade) as lágrimas de cada manhãencharcam a secura desse tempo.a terra agoniza e sangrasob a chama e os violentos cortesdos decretos- facões que a rasgam em silêncio. a vida está sobre a mesafarta de fatos, cálices cálidos.homens jejuam a umContinuar lendo “Outra flor em náusea”

A tristeza que urge

Jesuana Sampaio – Tem dias que a tristeza ganha nome, sobrenome e paradeiro. Eu estava triste. Queria um abraço de mainha ou ouvir ecoar seu sorriso. Queria pedir perdão por ter caído no conto do vigário de sonhar ser artista na cidade armada de concreto que dispara léguas e penas de morte. “O concreto urge”,Continuar lendo “A tristeza que urge”