Mãe Yemanjá canta para as filhas do mar

Arlete Mendes- Filha minha ainda indecisa, Pegue todas tuas dúvidas, pinte novo destino em tintas. Filha preta de pela clara, Pegue todas tuas mágoas Enfeite o corpo das águas. Filha preta de pele retinta, Teça com teus fios tesos A rede inédita da palavra. Filhas-espelhos de onde miro a beleza escondida do mundo, Dei aContinuar lendo “Mãe Yemanjá canta para as filhas do mar”

CAMINHANTE

Texto originalmente publicado em 21 de setembro de 2020. Mara Esteves- Se eu pudesse subverter o mundo,  juntaria as placas tectônicas novamente e atravessaria fronteiras em liberdade,  deixando que o desejo seja força motriz para o meu caminhar ao seu encontro. Se eu pudesse inverter a lógica, a ordem do dia a dia a lutarContinuar lendo “CAMINHANTE”

Janelas

Por Jesuana Sampaio Caminham no teu rosto bonito os meus dedos na tentativa de gravar nas minhas digitais teus desejos. Encosto o meu terceiro olho no teu e a lua nos confidencia que está cheia em gêmeos. As janelas das nossas almas, abertas. Tanto encanto, tanto! Tanto que o balançador da praça foi nosso confidente,Continuar lendo “Janelas”

Coração Mundo

A romã que cai o fruto antes de madurar Me diz que tudo bem não estar pronta às vezes. A murta quando me conta que a chamam de falsa dama da noite Me lembra que isso é só o que dizem sobre ela. O cedro quando lamentam suas folhas espetarem de leve Me diz queContinuar lendo “Coração Mundo”

Indefinida!

Jesuana Sampaio O que ganho sendo tão incerta? O que faz de mim campo germinado de dúvidas? Ser inexata me define tão intensamente que não cabe a mim reconhecer tal feito. A não ser pela única certeza, de que sou dúvida. Por isso, inexata, indefinida como ser. O que sou enquanto inconstância em efervescência? OContinuar lendo “Indefinida!”