Nós, naturalmente…

Por Juliana da Paz Era madrugada e o sono não vinha. Uma dor que me apertava as têmporas, o esternocleidomastóideo e todas essas nomenclaturas de músculos que compõem as costas e o pescoço, subindo ouvidos e cabeça acima. Esses que são conteúdos escolares, mas não fazemos questão de conhecer de verdade até que doam. AContinuar lendo “Nós, naturalmente…”

qual serpente

Carolina Tomoi– Eu sou de virgem e só de pensar me dá vertigem” João Bosco, Bijuterias -Sou virgem (risadas) – Piadinha velha entre os amigos sempre que alguém perguntava o signo da turma; todos riam e me olhavam desconfiada. Eu também me olhava assim no espelho toda vez que pensava no meu horóscopo. Nunca meContinuar lendo “qual serpente”

O pássaro

Celane Tomaz – Um pássaro pousou na minha varanda. Rompeu a minha vista das cores do fim da tarde. Seu repentino pouso foi ruptura do instante do meu monótono hábito de observar e endeusar o céu – a sua morada. Corpo miúdo, pisada frágil e olhar atento. Cabia na concha das mãos, mas com tudoContinuar lendo “O pássaro”