PAVILHÃO DE ESPELHOS

Texto publicado originalmente em 4 de setembro de 2020. Juliana da Paz– Das imperfeições que tenho a maior é ser mais de uma. Olho-me no espelho e tenho vertigens. Vivo embriagada na sede das muitas que aqui residem.  Não há aguardente, licor ou cevada que cause maior efeito que o desejo que eu sinto deContinuar lendo “PAVILHÃO DE ESPELHOS”

Pavilhão de espelhos

Juliana da Paz Das imperfeições que tenho a maior é ser mais de uma. Olho-me no espelho e tenho vertigens. Vivo embriagada na sede das muitas que aqui residem.  Não há aguardente, licor ou cevada que cause maior efeito que o desejo que eu sinto de esculpir mais uma de mim no mundo. Dói, eContinuar lendo “Pavilhão de espelhos”