Peneirando Opostos

Por Jesuana Sampaio “Onde está este lugar? Onde está essa luz? Se o que vejo é tão triste e o que fazemos tão errado? E me disseram: Este lugar pode estar sempre ao seu lado e a alegria dentro de você porque sua vida é luz.” Renato Russo. Um par. Pares. Opostos. Luzsombra Sombraluz. SoluaContinuar lendo “Peneirando Opostos”

JANELAS

Texto publicado originalmente em 04 de dezembro de 2020 Jesuana Sampaio- Caminham no teu rosto bonito os meus dedos na tentativa de gravar nas minhas digitais teus desejos. Encosto o meu terceiro olho no teu e a lua nos confidencia que está cheia em gêmeos. As janelas das nossas almas, abertas. Tanto encanto, tanto! TantoContinuar lendo “JANELAS”

Todos os dias um Jesus nasce nas periferias

Por Jesuana Sampaio “Gosto de pensar o natal como um ato de subversão, um menino pobre, uma mãe solteira, um pai adotivo…” Dom Helder Câmara Todos os dias um bem-te-vi desconhecido me dá bom dia… Todos os dias um Jesus nasce nas periferias, Empobrecido por um sistema opressor E desigual. Filho de mãe solteira, SemContinuar lendo “Todos os dias um Jesus nasce nas periferias”

Janelas

Por Jesuana Sampaio Caminham no teu rosto bonito os meus dedos na tentativa de gravar nas minhas digitais teus desejos. Encosto o meu terceiro olho no teu e a lua nos confidencia que está cheia em gêmeos. As janelas das nossas almas, abertas. Tanto encanto, tanto! Tanto que o balançador da praça foi nosso confidente,Continuar lendo “Janelas”

Chamado às inteirezas

Por Jesuana Sampaio Te peço, ama as minhas sombras. Ama as minhas sombras porque as minhas luzes muitos hão de amar. Te peço, ama as minhas fraquezas. Ama as minhas fraquezas, meu mau-humor matinal e minha preguiça de acordar cedo, às vezes. Te peço, ama a minha solitude. Ama a minha solitude e a minhaContinuar lendo “Chamado às inteirezas”

Peso

Jesuana Sampaio Hoje pesou. Pesou ser mulher, periférica e sozinha. Pesou andar na rua sozinha tarde da noite. Medo, violência, solidão. Pesa ter sempre que enfrentar o mundo pra ele não me engolir. Ser sempre forte, pesa. Hoje eu me permito ser fraca mas só depois de estar segura em minha casa. Amanhã, amanhã sereiContinuar lendo “Peso”

Indefinida!

Jesuana Sampaio O que ganho sendo tão incerta? O que faz de mim campo germinado de dúvidas? Ser inexata me define tão intensamente que não cabe a mim reconhecer tal feito. A não ser pela única certeza, de que sou dúvida. Por isso, inexata, indefinida como ser. O que sou enquanto inconstância em efervescência? OContinuar lendo “Indefinida!”

A minha criança

Jesuana Sampaio Certo dia um mago me disse que deveríamos saber qual o primeiro chá que tomamos na vida para assim nos conectarmos com a nossa criança interior. Peço licença a criança que fui para tomar mais uma vez o chá de erva doce e voltar no tempo para ninar a criança ferida que meContinuar lendo “A minha criança”

Sumário de mim

Jesuana Sampaio Se eu pudesse te entregaria um sumário de mim. Te contaria cada capítulo, verso, de quem fui até aqui. Cada parte da minha história, cada suspeita do que desejei ser, ter ou não ser, não ter. Te diria qual música faz minha alma vibrar, ou quais os meus poemas preferidos ou quando euContinuar lendo “Sumário de mim”

O Sabor que tem o Sim

Jesuana Sampaio Eu quero gritar aos quatro ventos teu nome junto ao meu. Quero nossas mãos dadas na rua, na passarela de concreto feita para a tua liberdade. Eu quero preencher o teu dedo com meu compromisso e ver no teu riso o sabor que tem o sim. Eu quero afrontar o mundo a teuContinuar lendo “O Sabor que tem o Sim”

Bemtivi nuvem de pipa

Jesuana Sampaio – No canto do bem-te-viestavaminha ideia de romancedesses incompletosfeitopipa de folha de cadernoquea gentechamavadebolachinha.No talo da flor de boldo estava meu paladar amargofeitofim de festa,fim de um amor,Que a gente teima em não esquecer. Na nuvem esbranquiçadaestavameu olhar astigmáticofeitoLembrança da quinta sériePaixonites não declaradas,Invenções de línguas estranhas.Bemtivi nuvem de pipaNo cantoNo taloNo olhoFeitoContinuar lendo “Bemtivi nuvem de pipa”

Ser Eu

Jesuana Sampaio – Quando cheguei a 4 anos atrás para moram em São Paulo, trazia os olhos inchados de tanto choro desaguado na noite anterior de um setembro beirando a primavera. Trazia também a culpa e o sentimento latente de que eu estava sendo egoísta. Nunca precisou ninguém me julgar, sempre fui juíza feroz deContinuar lendo “Ser Eu”