Abraços

por Ana Karina Manson “Não aguento mais ficar aqui como uma margarida num jardim de móveis”, disse a menina cansada de ficar em casa. Ela sabe das razões desse isolamento, é inteligente, sabe que precisa se proteger e sabe mais ainda: precisa proteger aos outros, principalmente os mais velhos; principalmente sua avó querida. Há entreContinuar lendo “Abraços”

pára-neo-nóia

Carolina Tomoi – “Eu sinto medo, eu sinto medo…” Raul Seixas, Para Noia, Nova Aeon, 1975. situação de guerra. lista de coisas a fazer. documentos no porta luva. evitar contato. sem bolsa. calças e blusa. proteção. sempre bom prender o cabelo. chaves. controle do portão. álcool. dinheiro no bolso. cartões no outro. celular. máscara. vamosContinuar lendo “pára-neo-nóia”

Uma manhã a mais, a menos

Celane Tomaz – Hoje acordei sobre os tantos mundos que me cabem. Olhei a mim, corpo vivo, matéria de calor e movimento entre as paredes claras e estáticas da casa.  A limitada extensão do espaço presenciava o meu grito pela vida do seu lado de fora. Diante do espelho, observei a pele rosada e maciaContinuar lendo “Uma manhã a mais, a menos”