laço infinito

Carolina Tomoi – Seu rosto já não demonstrava o que sentia, não mais espelho de sua alma, como diriam antigamente. Na verdade talvez ainda o fosse e já não sentisse realmente nada. “Bom dia! são exatamente sete horas do dia vinte e sete de maio de dois mil e vinte um. O dia está ensolarado,Continuar lendo “laço infinito”

Chuveiro queimado

Raíssa Padial Corso- O chuveiro tinha queimado. Manuella havia no mesmo dia percorrido o corredor com olhares cínicos, pedantes e piedosos. Ainda bem que ela não tinha muita coisa pra levar, uma planta quase seca como ela, num corredor seco, numa cidade seca, relações secas. Sim, a monotonia regava…. Ela árida, sussurrava para si autoajudasContinuar lendo “Chuveiro queimado”

Domesticar

Carolina Tomoi- Era tudo que mais detestava fazer, sabia que não havia nascido para aquilo. Mas sabia que era imprescindível sua função e sentia a responsabilidade de destrui-la. Talvez por ouvir a vida toda que aquilo era seu. Um tipo de herança maldita, talvez um carma arrastado por gerações milenares, uma sina, praga, lupen funcional-temporalContinuar lendo “Domesticar”

Onde as louças moram?

Ana Karina Manson Quando ela era criança odiava guardar a louça. Cresceu e continuou odiando. Mas guarda quase diariamente. A louça não toma banho sozinha, tão pouco sabe andar até máquina de lavar. Quando menina, pensava que guardar a louça era uma espécie de serviço subalterno. O principal era lavar. Só os maiores podiam mexerContinuar lendo “Onde as louças moram?”

Mãe Autônoma

Thata Alves – Impressionante o quanto A guarda dos filhos é da mulher Ora se não é? Quando há a separação quem que fica com a prestação do inalador que não sara a dor dessa ferida Fica aberta Pingando sangue E se não fosse o bastante A saúde mental da mulher Sofre Porque ela aContinuar lendo “Mãe Autônoma”