Passo mal, mas estou bem

Juliana da Paz Até que dia ainda doer será a regra?Dia após dia me encolho dentro da máscara,Da casa,Da fome alheia.Não tenho conseguido gritarNem a felicidadeDe parir pureza e raça, Não combina com o cenário.É mais incongruenteQue borboletas no aquário.Me culpo por saberQue estou no lamaçal tóxicoE não me sujei ainda. Cadê as forças, cadê?Continuar lendo “Passo mal, mas estou bem”