Emprestem-me um coração labareda

Por Jesuana Sampaio Alguém me empresta um coração? O meu, tá cansado. Talvez, só por hoje, por ontem.  Emprestem-me para o amanhã,  Para os sonhos meus, tão nossos. Emprestem-me um coração cheio de vigor juvenil, de esperança.  O meu tá um tantinho assim cansado.  Talvez do hoje, talvez incrédulo, talvez. Emprestem-me um coração labareda,  motim,Continuar lendo “Emprestem-me um coração labareda”

A palavra certa

~Raíssa Padial Corso “O amor nos faz sentir mais vivos, Quando vivemos num estado de desamor, sentimos que poderíamos muito bem estar mortos; tudo dentro de nós é silêncio e imobilidade.” Bell Hooks -Tudo sobre o amor, novas perspectivas, (2021, p.221) A palavra certa já estava dentro do meu ouvido. Não era nem meio diaContinuar lendo “A palavra certa”

Eu saúdo Eva

~Por Raíssa Padial Corso Eu saúdo Eva!A primeira ousada.Construo em mim um templo de conhecimento.Nesse altar sacrifíco todos os dogmas.Tu amada, tão deturpada e deslocada entre suas filhas!Na eterna busca de tua contraparte.Eva com seu gosto de maçã.A mesma maçã que intercala nossos corpos.Tu que rasga a cara de quem interrompe nossas falas, calcula nossasContinuar lendo “Eu saúdo Eva”

Deus dos que matam os que tem fome.

-Mara Esteves 28 de fevereiro. Último dia de um mês que o ritual da catarse carnavalesca não veio. Sinto que sem o carnaval não há quaresma. Não há redenção e nem o equilíbrio entre o profano e o sagrado. Parece até que Deus nos abandonou. Ou pior, desistiu de nós. Custa muito acreditar que oContinuar lendo “Deus dos que matam os que tem fome.”

As palavras

As vezes meu peito se inflama   De um aperto desesperador  Alguns chamam de saudades  Não é sobre lembrar do tempo Em que você esteve aqui  A falta que me mata  É recordar de quem eu fui Naqueles dias ensolarados  A dor da perda é saber  Que  quando você fez suas malas  Levou por engano  meus Utensílios Fé,Continuar lendo “As palavras”

Um Brasil sem carnaval

-Mara Esteves ( Marchinha: Agora Vai é Pé no Chão e Rua – Bloco Agora Vai/ Ano 2017) Neste ano o apito, o tambor e o coro de vozes entoando as marchinhas se emudeceram. As ruas e vielas da cidade já não ecoam as multidões. Os foliões que seguem o Bloco do Beco, o DesbundasContinuar lendo “Um Brasil sem carnaval”

Queria um dia de sol

por Celane Tomaz queria um dia de soldaqueles que me faz esquecera nebulosidade de serque faz sentir na pelea vivacidade de existire arder o lugarque ocupo. queria um dia de solmodificando a cor da epiderme,sentindo lentamente meu corpofiltrando o calor de estar no mundo. queria um dia de sola vida acesa nas vozes,no concreto queContinuar lendo “Queria um dia de sol”

Lua minguante

~Por Raíssa Padial Corso A lua minguante me derrubou. Eram 19 horas, a rede embalando os joelhos com suas quedas, cicatrizes de caminhos mal andados, cicatrizes de agir como se fosse lua crescente, ovulação na cheia. Vigorosa como se o sol batesse direto nas células. Cai na besteira de subverter a lua em mim, quandoContinuar lendo “Lua minguante”

Move-te em ti

“tu podes ir e ainda que se mova o trem, tu não te moves de ti.”H.H. se eu pudesse ser pássarobastar a asa para seralcançar o mundo, apesar de miúdolivre, apesar de frágildançar na terrarodopiar no céuser pássarode canto cobiçado no silêncioaos ouvidos atentos e sensíveisao canto do meu cantoritmado de (a)manhã. se eu pudesseContinuar lendo “Move-te em ti”

Lua minguante no mar!

Por Juliana da Paz O juízo se espalha pelo mundo Expande-se no horizonte Onde já não lhe enxergo Não o mesmo Ando cheia de marcas Cicatrizes que me enfeitam Cabelos que não lhe lambem mais Pernas que já correm em apressar a própria vida Roupas de águas tranquilas Já distantes do seu ar Uma outraContinuar lendo “Lua minguante no mar!”

PITAIA PÍTON

~pOr RaÍssA PaDial CoRSo Para Laura Jasmim e Déa Trancoso, mulheres oraculares. Pitaia minha Píton. Pitaia minha Píton. Rosa rubra flor nascente, desencandeia essa serpente, no sabor de massala, cabe peito, cabe cabalah, vida as vezes nem visita, exita, parasita, mas o rosáceo desse canto celebrou dentro de mim. Canta doce dama esse frescor, mostraContinuar lendo “PITAIA PÍTON”

DESFIGURADO

Texto publicado originalmente em 31 de outubro de 2020 Celane Tomaz- Busquei a luz e o amor.Humana, atentaComo quem busca a boca nos confins da sede.Recaminhei as nossas construções, tijolosPás, a areia dos diasE tudo que encontrei te digo agora:Um outro alguém sem cara. Tosco. Cego.O arquiteto dessas armadilhas.” Hilda Hilst por Celane Tomaz EuContinuar lendo “DESFIGURADO”