7-GATO-13

Carolina Tomoi – Onde andas? a bailarina preta e rosa hoje guerreira de foice e enxada na mão. 9343-1420. Teu silêncio me cala Tua ausência me rasga Nem tudo saiu como planejado Nossas missivas ad aeternum Só perpetuaram nos sonhos entre pipocas e gelados (que eles sim valiam a humilhação) A garota roendo gelo eContinuar lendo “7-GATO-13”

Cordiforme

Jesuana Sampaio Antes que mares revoltos me roubem a paz, eu quero navegar em teus beijos e brotar na tua boca um desejo de sempre. Talvez, assim, desejante de teus cheiros, eu, enfim, não fuja da entrega. Antes que o medo me paralise, eu quero arrepiar tua pele e alimentar de suspiros duradouros teus ouvidos.Continuar lendo “Cordiforme”

Mulher Sábia

Jesuana Sampaio- Tenho memórias de mim tão bonitas que superam todas as que foram dolorosas. Deve ser teimosia cearense. Estes dias estava lembrando que mais ou menos com 17 anos eu dizia que era bruxa e sabia mover os ventos. Eu não entendia porque entre tantos poderes o meu escolhido envolvia o vento, em porqueContinuar lendo “Mulher Sábia”

Mãos pretas

Como ler estas mãos pretas?De linhas tecidas jamais lidasCalejadas por outra História? Como ler estas mãos pretas?Outrora de sonhos partidosGeradas em dolorosas memórias Como ler estas mãos pretas?Pretas de sangue moídasPretas de dores vermelhas Como ler estas mãos pretas?De tantos negreiros naviosDe tantas almas presas Como ler estas mãos pretas?Que repousam na folha os diasContinuar lendo “Mãos pretas”

Sem Título

Thata Alves – Pôs os meus pês nas areias árabese gostei da sensaçãoas mesmas me acariciavamprovocavam emoção. Fintava olho a olhoas mulheres de burcatransmitiam curiosidadeolhos por mim registradosde uma forma únicade sua cultura e magiaadotei pra mim a poligamia. Sim! Desta vez eu mulherassumir o papelporque não ter 2 homens? Por que a sociedade temContinuar lendo “Sem Título”

Algo mais bonito que o amor

Jesuana Sampaio – Fiquei a pensar sobre o infinito e não só, sobre algo mais bonito que o amor. Talvez só algo mais bonito que o amor possa explicar o infinito. Isso ficou dentro de minha memória poética por muitos anos. Hoje sei,  só há algo mais bonito que o amor capaz de explicar oContinuar lendo “Algo mais bonito que o amor”