Eu saúdo Eva

~Por Raíssa Padial Corso Eu saúdo Eva!A primeira ousada.Construo em mim um templo de conhecimento.Nesse altar sacrifíco todos os dogmas.Tu amada, tão deturpada e deslocada entre suas filhas!Na eterna busca de tua contraparte.Eva com seu gosto de maçã.A mesma maçã que intercala nossos corpos.Tu que rasga a cara de quem interrompe nossas falas, calcula nossasContinuar lendo “Eu saúdo Eva”

Ideia fixa

Carolina Tomoi – Ideia fixa Ideia fixada pregada tachada Ideia que não sai do pensamento Sai, não sai! Sai não, sai? Sai, não, sai. Te aporrinha por demais -Vai-te embora de mim! Se perde e volta Vai pras quincas com essa ideiafix Não te deixa, te perturba Semanas, semanas, dias e horas Madrugadas. Mato aContinuar lendo “Ideia fixa”

Peneirando Opostos

Por Jesuana Sampaio “Onde está este lugar? Onde está essa luz? Se o que vejo é tão triste e o que fazemos tão errado? E me disseram: Este lugar pode estar sempre ao seu lado e a alegria dentro de você porque sua vida é luz.” Renato Russo. Um par. Pares. Opostos. Luzsombra Sombraluz. SoluaContinuar lendo “Peneirando Opostos”

GOTAS

por Ana Karina Manson Quando vejo a amiga que se diz improdutiva gerando vida em forma de frutos, flores e hortelã Goteja esperança em mim. Quando vejo uma senhora de 98 anos recém-nascer ao se vacinar contra o mal avassalador do qual a política se armou Goteja esperança em mim. Quando vejo mulheres gerando filhosContinuar lendo “GOTAS”

INTIMIDADE

 Elizabete Alves de Oliveira– Aceitei teu abraço quente e longo. Como criança pedi mais. Aceitei teu beijo molhado e calmo. Como o mar em noite de lua crescente Que beija areia E por ela, quase se deixa sufocar. Tua pele roçando a minha, com intimidade própria, De folha ao vento De perfume e flor DeContinuar lendo “INTIMIDADE”

Mãe Yemanjá canta para as filhas do mar

Arlete Mendes- Filha minha ainda indecisa, Pegue todas tuas dúvidas, pinte novo destino em tintas. Filha preta de pela clara, Pegue todas tuas mágoas Enfeite o corpo das águas. Filha preta de pele retinta, Teça com teus fios tesos A rede inédita da palavra. Filhas-espelhos de onde miro a beleza escondida do mundo, Dei aContinuar lendo “Mãe Yemanjá canta para as filhas do mar”

Mesmo quando não consigo ouvir

Jesuana Sampaio A minha boca é capaz de dizer adeus mesmo que meu corpo demore a não desejar mais a sua pele e o meu cotidiano a entender a tua ausência. Parte de mim só espera viver bons momentos mesmo que a fórmula para isso ainda esteja se construindo. Algo em mim ainda divaga sobreContinuar lendo “Mesmo quando não consigo ouvir”

DESFIGURADO

Texto publicado originalmente em 31 de outubro de 2020 Celane Tomaz- Busquei a luz e o amor.Humana, atentaComo quem busca a boca nos confins da sede.Recaminhei as nossas construções, tijolosPás, a areia dos diasE tudo que encontrei te digo agora:Um outro alguém sem cara. Tosco. Cego.O arquiteto dessas armadilhas.” Hilda Hilst por Celane Tomaz EuContinuar lendo “DESFIGURADO”

CHAMADO

Texto originalmente publicado em 01 de novembro de 2020 Sílvia Tavares– Me veio primeiro fogoMinha pele colorida na ruaTrazendo cachoeira pro asfaltoBotando-me mar nos olhos Me veio depois desertoTravessia para não sei ondeE o som do vento, do ventoAté que as perguntas calassem Me veio então moradaTantinho de saúde, descanso na loucuraMorros, bugios, leite entornado no tachoCéuContinuar lendo “CHAMADO”

JANELAS

Texto publicado originalmente em 04 de dezembro de 2020 Jesuana Sampaio- Caminham no teu rosto bonito os meus dedos na tentativa de gravar nas minhas digitais teus desejos. Encosto o meu terceiro olho no teu e a lua nos confidencia que está cheia em gêmeos. As janelas das nossas almas, abertas. Tanto encanto, tanto! TantoContinuar lendo “JANELAS”

PARIR-SE

Texto publicado originalmente em 12 de julho de 2020 Ana Karina Manson– Dói parir No cortar cebola com ligeireza Sob a luz do abajur nossa conversa Nas palavras com tanta firmeza Na vida que passa depressa. Dói parir Todo dia o filho novo Que se renova em gestos E ao seu encontro me movo EContinuar lendo “PARIR-SE”