Poema póstuma pandemia

Valentina Danny- As pessoas assistiram as notícias, começou do outro lado do mundo, fomos dormir e acordamos dentro do mesmo lado, a pandemia covid 19 unia países com um vírus ao mesmo tempo que separavam nações. O tempo já não era mais o mesmo, nem as horas, nem os dias. Isolamento entre as pessoas, humanosContinuar lendo “Poema póstuma pandemia”

diabo-deus, o pensamento

“Não há devassidão maior que o pensamento.Essa diabrura prolifera como erva daninhanum canteiro demarcado para margaridas.” Wislawa Szymborska por Celane Tomaz pensar para existir. dispenso. por vezes queria a vida-possível que habita o não pensar-me. existir sem a força e a dor de atribuir sentido ou razão de ser. apenas existir. mas no profundo mistérioContinuar lendo “diabo-deus, o pensamento”

Ofício

Carolina Tomoi- Há tempos tenho pensado em escrever sobre meu ofício. Um assunto engasgado, travado. Um receio de cair num mar de lamentação ou num muro de ostentação. Pensando em definir-me pensei que talvez pudesse definir meu ofício: a parte de mim que escolhi trocar diariamente por sobrevivência. Deve-se ter cuidado! porque quando se fazContinuar lendo “Ofício”

O que é então, poema?

Carolina Tomoi- “o ensaio é o gênero da crítica, é porque é o gênero da crise, da crise de uma certa forma de pensar, de falar, de viver. A experiência do presente faz desse mesmo presente um momento crítico, de transição, de mutação.” Jorge Larossa, A operação ensaio Pouco me olho. 15 minutos por diaContinuar lendo “O que é então, poema?”

ciclos

Carolina Tomoi- Penso na lua, nos ciclos, nas cheias. Meu ventre inflando mensularmente. Seios arredondados ao extremo do intocável, precisam de apoio para seustentar além da gravidade. Tão grave não poder conviver consigo tendo que ser gentil com os outros. Fogos de hematortifício povoam as entranhas, se ouvem de longe seus estrondos. Contorces contrações contravenções.Continuar lendo “ciclos”

qual serpente

Carolina Tomoi– Eu sou de virgem e só de pensar me dá vertigem” João Bosco, Bijuterias -Sou virgem (risadas) – Piadinha velha entre os amigos sempre que alguém perguntava o signo da turma; todos riam e me olhavam desconfiada. Eu também me olhava assim no espelho toda vez que pensava no meu horóscopo. Nunca meContinuar lendo “qual serpente”