Corpórea

Pintura de Sasha Pordgurska

Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.

Hilda Hilst

por Celane Tomaz

Vestida de noite
Estrelas-ardências
Deslizam entre minhas pernas.

Despida em malícia
Nua sobre o teu corpo
O eclipse de almas é lunar.

Gritas o dia
Sobre meus seios-montes de silêncio.

Escorro de desejo-orvalho
Na aurora da manhã.

Meu sol queima tua pele
E o meu calor rompe o véu do desejo.

Há em mim trovejantes caminhos
Tempesta minha língua na tua.

Desenhe teus dedos
Na linha do meu horizonte.

Pinte com teu gozo
O céu do meu papel em branco.

Que teu sol se ponha
Em minhas sinuosas montanhas.

E no fim das tardes
Nas curvas do meu corpo
Descansem as águas do teu rio.

5 comentários em “Corpórea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: