qual serpente

Camile Chew

Carolina Tomoi

Eu sou de virgem e só de pensar me dá vertigem”

João Bosco, Bijuterias

-Sou virgem (risadas) – Piadinha velha entre os amigos sempre que alguém perguntava o signo da turma; todos riam e me olhavam desconfiada. Eu também me olhava assim no espelho toda vez que pensava no meu horóscopo. Nunca me reconhecia na figura de uma sereia ou iara e ainda mais pensando em como mulheres meio-peixe poderiam ser virgens quando sua função era seduzir os homens e arrastá-los para o fundo do mar. Sei nadar… mas nunca consegui mergulhar decentemente.

Sempre achei que me parecia mais com meu horóscopo chinês: Serpente. Muito mais eu: a enrolar-se toda enquanto mira seu objetivo. Sentindo o ar de mansinho antes de chegar de verdade. Olhar meio cerrado só para disfarçar que observa longe. Ainda por cima, minha metade oriental tem essa tendência a problematizar o lado ocidental e não me reconhecia como “pessoa organizada e racional” ou que precisasse “continuar produzindo harmonia”…

Dos conselhos dos programas de rádios e horóscopos jornalescos, na adolescência fui às revistas, hoje teens, e aos almanaques de réveillon que prometiam ensinar o mapa astral, até juntar dinheiro para comprar um fascículo com as cartas de tarô. Reuníamos as primas e amigas para interpretar as cartas, mas o que fazíamos mesmo era rir muito, não sei se dos sonhos tão fáceis que surgiam das previsões, de nossa ingenuidade em crer nos amores prometidos no chão do jogo ou por estarmos juntas ali num momento finito e eterno.

Ainda como, uma jovem mulher que descobria e aprendia sobre seus talentos. Um mestre-amigo, ao me iniciar na arte do forró me disse que eu era filha de Iansã. Acreditei. E não parei por aí, fiz outras, fiz várias investidas buscando esse mundo sensível e intocável da fé e do sobrenatural.

Hoje percebo que o sobrenatural atua em mim e não fora. Algo que buscava como um milagre externo e mais poderoso que eu se revela através de meus olhos, de minha pele, ouvidos, língua, imaginação, sonhos, dores e sorrisos. Precisei parar de correr para poder me encontrar comigo.

Aprendi muito mais colhendo que plantando e hoje posso arriscar plantar algumas mudinhas com a certeza que vingarão. Compreendo que estão em mim o ímpeto e a coragem de Iansã, a sabedoria de sempre se questionar ensinada pelo tarô, a esperança e a cautela dos conselhos do horóscopo, as qualidades de observação e velocidade de tomada de decisão das serpentes. Porque o natural não se separa do sobrenatural, humanidade é natureza.

Aprendi também com os sábios ancestrais de minha terra que não é possível existir “algo que não seja natureza. Tudo é natureza. O cosmos é natureza.”* Somos ela e ela está em nós.

Compreender-nos como natureza, observar nosso ritmo natural e respeitá-lo. Nosso tempo, um tempo natural. Não é tarefa fácil, não é tarefa pra só uma, duas ou três décadas de existência… é necessária uma jornada inteira.

… E sobre ser virginiana? Me reconheci quando uma amada amiga me perguntou numa mesa de bar: “Como você estende sua roupa no varal?”

Ouça nossa voz: qual serpente

*Ailton Krenak, O amanhã não está a venda. Cia da Letras, versão eletrônica.

9 comentários em “qual serpente

  1. Que texto maravilhoso, Carol! Amei os seus questionamentos e a força oriental de questionar o ocidental. E a nossa sincronicidade de mesmo sem saber falarmos de Iansã em nossos textos na mesma semana. Vida longa a nossa escrita! ❤️

    Curtido por 1 pessoa

  2. A gente nasce com essa inquietação e quer achar respostas, principalmente sobre o que somos e o que estamos fazendo aqui nesse pedaço de planeta. Com muita leveza e graciosidade vc nos permite lembrar de que matéria somos feitas❤️❤️

    Curtido por 1 pessoa

  3. “Aprendi muito mais colhendo que plantando e hoje posso arriscar plantar algumas mudinhas com a certeza que vingarão.” Ai, ai. Seu texto é lindo, mas este pedacinho…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: