Mamãe, te amo mais que doce!

Juliana da Paz

Deitados na cama fazemos mil planos, fantasiando um mundo melhor. A nossa vida reclusa, possível, bem que poderia se espalhar pela cidade inteira.

Enquanto você lança ideias saídas de um sonho infantil para acabar com o vírus vilão, eu não vejo saída para a vida de tantas crianças que moram ao lado.

Eu tento me segurar na lembrança que já fui uma delas e estou quase salva, quase sã.

Muitas sequelas me alcançam: é culpa por não ajudar mais aos outros, é dor que não tem remédio que sane em ver miseráveis na rua, é raiva de um Estado que nunca nos quis cidadãos.

 A criança que fui que me salva. Ela que sofreu mais do que eu, teve calma e força para esperar cada tormenta passar. Seguro na mão dela e ela me leva até você.

Você me acolhe em seu mundo cheiroso e divertido. É um menino gaiato, faz rir até o mais sisudo adulto. Eu choro de felicidade bem mansinho para você não notar. É de gratidão por ter você por perto.

Esse mundo não merece crianças, mas precisa delas demais. Da sua capacidade criativa, da sua alma que perdoa fácil… da promessa de vida inteira pela frente, do encantamento com as coisas que já nem enxergamos mais.

São como pequenas pessoas sábias pelo mundo mostrando que o cuidado é a coisa mais importante. Que a proteção é que ensina a proteger, que amar é o que ensina o amor, que ser feliz é o que ensina a felicidade. E você faz tudo isso por mim e me ensina, filho, estou tentando aprender.

Sigamos…

15 comentários em “Mamãe, te amo mais que doce!

    1. Este sentimento abrange uma parte maior do mundo ,singularidade do ser criança,a inocência é não entender a maldade diferenciada e discrepantes de uma realidade social seletiva e quase sem princípios humanos “a selva de pedras”

      Curtir

  1. Ju, com lágrimas nos olhos e coração sangrando… Pela culpa que o capital nos faz sentir por termos minutos de gratidão e felicidade enquanto vemos nossos irmãos sacrificados… Nossas crianças sofrendo… É velha luta de classes e seus requintes de crueldade. Não nos falemos mais.
    Obrigada!
    Sei que por eles, os pequeninos, temos essa força de nunca parar.

    Curtir

  2. Ju, com lágrimas nos olhos e coração sangrando… Pela culpa que o capital nos faz sentir por termos minutos de gratidão e felicidade enquanto vemos nossos irmãos sacrificados… Nossas crianças sofrendo… É velha luta de classes e seus requintes de crueldade. Não nos calemos mais.
    Obrigada!
    Sei que por eles, os pequeninos, temos essa força de nunca parar.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: